Categoria: Impotência

5 maneiras naturais para superar a disfunção erétil como superar a disfunção erétil

5 maneiras naturais para superar a disfunção erétil como superar a disfunção erétil

Você consegue correr tão rápido quanto aos 20 anos de idade? Bata uma bola de beisebol tanto quanto você poderia uma vez? Bash uma bola de tênis com a mesma velocidade e rotação?

Leia também: Remédio para impotência

Provavelmente não.

Mas mesmo com a idade, ainda há muitas maneiras de permanecer no jogo e aproveitá-lo. Isso é verdade tanto no sexo quanto no esporte.

A disfunção erétil (DE) pode ocorrer por vários motivos. Às vezes é tão simples quanto o efeito colateral de um medicamento em particular. Mas para cerca de 75% dos homens, a causa é mais complexa. A DE pode resultar de doença vascular, doença neurológica, diabetes ou tratamentos ou cirurgias relacionados à próstata.

Se você atualmente sofre de disfunção erétil ou está esperando para contornar esta condição, tente estas dicas para superar ED para uma melhor saúde e uma vida sexual melhor.

Comece a andar. De acordo com um estudo de Harvard, apenas 30 minutos de caminhada por dia estavam ligados a uma queda de 41% no risco de disfunção erétil. Outra pesquisa sugere que o exercício moderado pode ajudar a restaurar o desempenho sexual em homens obesos de meia-idade com DE.
Coma direito. No Massachusetts Male Aging Study, comer uma dieta rica em alimentos naturais, como frutas, legumes, grãos integrais e peixes – com menos carne vermelha e processada e grãos refinados – diminuiu a probabilidade de ED.
Preste atenção à sua saúde vascular. A hipertensão arterial, o alto nível de açúcar no sangue, o colesterol alto e os altos níveis de triglicerídeos podem danificar as artérias do coração (causando ataque cardíaco), no cérebro (causando derrame) e levando ao pênis (causando disfunção erétil). Uma cintura em expansão também contribui. Verifique com seu médico se o seu sistema vascular – e, portanto, seu coração, cérebro e pênis – está em boa forma ou precisa de um ajuste através de mudanças de estilo de vida e, se necessário, medicações.
O tamanho é importante, então fique magro e fique magro. A cintura é uma boa defesa – um homem com uma cintura de 42 polegadas é 50% mais propenso a ter DE do que um com uma cintura de 32 polegadas. Perder peso pode ajudar a combater a disfunção erétil, portanto, chegar a um peso saudável e ficar lá é outra boa estratégia para evitar ou corrigir ED. A obesidade aumenta os riscos de doença vascular e diabetes, duas das principais causas de disfunção erétil. E o excesso de gordura interfere com vários hormônios que podem ser parte do problema também.
Mova um músculo, mas não estamos falando de seu bíceps. Um forte assoalho pélvico aumenta a rigidez durante as ereções e ajuda a impedir que o sangue saia do pênis pressionando uma veia chave. Em um estudo britânico, três meses de exercícios de Kegel duas vezes ao dia (que fortalecem esses músculos), combinados com biofeedback e conselhos sobre mudanças de estilo de vida – parar de fumar, perder peso, limitar o álcool – funcionaram muito melhor do que apenas conselhos sobre mudanças no estilo de vida.

Fonte: https://www.valpopular.com/remedio-para-impotencia/

Impotência / disfunção erétil

Impotência / disfunção erétil

Impotência sexual masculina ou disfunção erétil é a incapacidade persistente de atingir ou manter uma ereção que permita uma relação sexual satisfatória.

Deve ser diferenciada de outros problemas sexuais, como falta de desejo, alterações da ejaculação (ejaculação precoce, ejaculação retardada e ausência de ejaculação) ou distúrbios do orgasmo.

A impotência ou disfunção erétil é uma doença comum que, se não for tratada, pode afetar as relações com o casal, a família, o trabalho e o meio social. Todos os homens podem ter problemas em ter uma ereção em sua vida, especialmente se estiverem cansados, tiverem estresse, uma doença grave ou estiverem sob a influência de álcool e drogas.

Causas
Impotência ou disfunção erétil podem ser causadas por:

Causas psicológicas
Nestes casos, o pênis não apresenta qualquer alteração física, no entanto, doenças como a ansiedade (muitas vezes causada pelo medo de não ter uma ereção ou decepcionar a mulher), depressão, problemas com o casal e até estresse Eles podem afetar o ato sexual.

Também a preocupação excessiva com problemas de trabalho, sociais ou familiares significa que a atenção necessária não é dedicada ao ato sexual. Fadiga, falta de apetite, falta de exercício, insônia ou insucesso no trabalho também desequilibram os reflexos sexuais.

Causas vasculares
Esse cara é muito comum. O pênis não pode acumular o sangue necessário para uma ereção, geralmente porque não chega em quantidade suficiente. Fumar, pressão alta, diabetes, algumas doenças cardíacas e aumento dos níveis de colesterol no sangue podem causar distúrbios vasculares que dificultam a ereção.

Causas neurológicas
Nestes casos, há uma interrupção na transferência de mensagens do cérebro para o pênis, porque há uma lesão nos nervos envolvidos. Isso ocorre com lesões na medula espinhal, esclerose múltipla ou após alguns procedimentos cirúrgicos na pelve.

Causas hormonais
Eles são raros. Eles são geralmente devido a uma falta de hormônios sexuais masculinos.

Causas farmacológicas
Existem vários medicamentos que têm como efeito colateral diminuir a capacidade de ter uma ereção. Entre eles estão algumas drogas para tratar hipertensão, doenças cardíacas e transtornos psiquiátricos.

Avalie seus sintomas

Sintomas
O principal sintoma da disfunção erétil é uma mudança na qualidade da ereção, tanto em termos de rigidez quanto na capacidade de manter uma ereção.

Se a impotência é causada por causas físicas, um dos principais indicadores da incapacidade de ter ou manter uma ereção ao acordar pela manhã.

Por outro lado, se origina de causas psicológicas, a impotência geralmente ocorre durante um período de tempo específico (desde que a situação de estresse perdure, por exemplo). Se persistir por mais de três meses, o paciente deve procurar um urologista especializado em impotência.

Prevenção
A principal medida que os homens devem levar em conta para evitar o aparecimento da disfunção erétil é a modificação do estilo de vida para evitar qualquer hábito que afete negativamente as artérias e veias, como tabagismo, consumo de álcool e gordura saturada, vida sedentária e estresse.

Tipos
Atualmente, alguns especialistas estabelecem a seguinte classificação para distinguir os diferentes tipos de impotência:

Leve

Moderado

Sério
Diagnóstico
Para a elaboração de um diagnóstico correto é necessário que o paciente seja submetido a exames médicos que permitam estabelecer um bom registro clínico.

Leia também: Estimulante sexual masculino qual é o melhor

Uma entrevista com a pessoa afetada pode revelar fatores psicológicos envolvidos no distúrbio de ereção. É essencial descartar a depressão, o que nem sempre é aparente. A escala de depressão de Beck e a escala de depressão geriátrica de Yesavage nos idosos são simples e fáceis de realizar.

Os relacionamentos pessoais também devem ser analisados ​​para determinar se existem conflitos ou dificuldades de comunicação com o casal. Uma entrevista com o parceiro sexual da pessoa afetada pode revelar dados de grande importância.

Por outro lado, existem atualmente vários testes que ajudam a estabelecer o diagnóstico de disfunção erétil. Especialistas costumam utilizar principalmente dois: o IIEF (Índice Internacional de Função Erétil) ou SHIM (Índice de saúde sexual para homens), variante reduzida do IIEF que consiste em 5 questões e apresenta alta sensibilidade e especificidade. Um escore menor ou igual a 21 mostra sinais de disfunção erétil.

O que é Disfunção erétil?

O que é Disfunção erétil?

Disfunção erétil ou impotência sexual é a incapacidade permanente de obter ou de manter uma ereção rígida o suficiente para uma relação sexual satisfatória.

Disfunção erétil: entenda o problema

Disfunção erétil ou impotência sexual é a incapacidade permanente de obter ou de manter uma ereção rígida o suficiente para uma relação sexual satisfatória.

Disfunção erétil: entenda o problema

Disfunção erétil ou impotência sexual é a incapacidade permanente de obter ou de manter uma ereção rígida o suficiente para uma relação sexual satisfatória.

Disfunção erétil: entenda o problema

Disfunção erétil ou impotência sexual é a incapacidade permanente de obter ou de manter uma ereção rígida o suficiente para uma relação sexual satisfatória.

Disfunção erétil: entenda o problema

Causas
Como para a obtenção de uma ereção vários órgãos e tecidos precisam funcionar em harmonia, existem muitas situações que afetam um ou mais desses participantes e podem cursar com disfunção erétil. Nem sempre os médicos conseguem definir exatamente qual o percentual de participação de cada estrutura envolvida. A impotência sexual está relacionada a diversas doenças e tratar a disfunção envolve obrigatoriamente a descoberta de sua causa.

São causas da disfunção erétil:
Distúrbios psicológicos
Doenças hormonais (diabetes, queda de testosterona, problemas endócrinos)
Doenças neurológicas (lesões na medula, mal de Alzheimer e Parkinson)
Doenças vasculares, que causam entupimento das artérias e veias, prejudicando a chegada do sangue ao pênis (hipertensão arterial, aterosclerose)
Consumo excessivo de medicamentos
Cirurgias pélvicas
Doença de Peyronie ou fibrose dos corpos cavernosos
Alcoolismo e tabagismo.
Fatores de risco
Todos os conhecidos fatores de risco para doenças cardiovasculares como infarto e derrame também são considerados fatores de risco para disfunção erétil. São eles:

Diabetes
Hipertensão arterial
Dislipidemia (colesterol e triglicérides alterados)
Tabagismo
Obesidade
Sedentarismo.
Isso ocorre por conta da necessidade de um enorme aumento do fluxo de sangue para que o pênis fique ereto. Quando a circulação para o órgão está comprometida por um desses fatores, a disfunção erétil pode surgir.

Outros fatores considerados de risco são situações que afetam a autoconfiança do homem como desemprego, aposentadoria, crises financeiras, luto na família, entre outros.

É importante ressaltar que apenas o envelhecimento não constitui uma causa de disfunção erétil.

Diagnóstico e Exames
Buscando ajuda médica
Falhas eventuais de ereção podem acontecer a qualquer homem. Mas quando a ereção não é adequada e isso se repete com freqüência, vale a pena procurar ajuda médica. Lembre-se que os fatores de risco são semelhantes e que o problema circulatório para o pênis pode alertar para outros sistemas do corpo que não andam bem.

Diagnóstico de Disfunção erétil
A impotência sexual tem cura e o primeiro passo é o diagnóstico correto.

Saiba mais: Vídeo: saiba como é feito o diagnóstico da disfunção erétil
Em seguida ele busca identificar possíveis fatores de risco como os citados acima. Por exemplo: se existe hipertensão arterial, ela precisa ser tratada. Quando o problema é o controle da glicose, o médico irá orientar sobre o tratamento.

O próximo passo é tratar o problema em si e hoje existem vários medicamentos para melhorar a ereção.

O diagnóstico da disfunção erétil é eminentemente clínico, ou seja, o médico chega a esta conclusão conversando com o paciente.

Saiba mais: Deixe o preconceito contra a impotência de lado
Ecodoppler peniano
Quando os medicamentos orais não resolvem, os médicos costumam encaminhar o paciente para o especialista, que é o urologista. Ele vai aprofundar a investigação e pode lançar mão de outro recurso usado para o diagnóstico da disfunção erétil: o ecodoppler peniano. Nesse exame é feito um medicamento injetável no pênis e uma ereção é produzida. O método é utilizado para medir o fluxo arterial, observar o comportamento da túnica que reveste os corpos cavernosos e avaliar a resposta erétil obtida.

O exame é feito no consultório médico ou clínicas de radiologia e o medicamento faz efeito em 5 a 10 minutos. O exame com injeção intra cavernosa e Doppler serve para avaliar a gravidade da disfunção erétil e ao mesmo tempo possibilita ao urologista pensar em alternativas terapêuticas como a auto-injeção ou implantes penianos (as famosas próteses).

Tratamento e Cuidados
Tratamento de Disfunção erétil
O tratamento da disfunção erétil começa com a identificação e controle dos fatores de risco. Além disso, o médico hoje costuma prescrever os medicamentos orais chamados inibidores da fosfodiesterase tipo 5. Sildenafila, vardenafila e tadalafila são os mais conhecidos e utilizados.

Saiba mais: Vídeo: saiba como é feito o tratamento da disfunção erétil
Quando a medicação oral usada na dose e da maneira adequada não resolve, existem outras modalidades terapêuticas consideradas de “segunda linha” como bomba de vácuo, injeções de vasodilatadores e na chamada “terceira linha”, as próteses penianas, que são o último recurso.

Um ponto muito importante e nem sempre valorizado consiste em cuidar do relacionamento. Avaliar a parceira e como o casal está conduzindo seus problemas e questões. Em alguns casos, vale o apoio de psicólogos ou outros profissionais para melhorar a relação do casal.

Medicamentos para Disfunção erétil
Os medicamentos mais usados para o tratamento de disfunção erétil são:

Cialis
Viagra
Somente um médico pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula. Evite fazer testes em que ocorra a comparação do desempenho com ou sem medicamento (do tipo: “hoje não tomarei o remédio para ver se estou curado…”).

Convivendo (prognóstico)
Convivendo/ Prognóstico
Como existem várias causas para a disfunção erétil, o prognóstico varia bastante. Sabemos hoje que os casos mais difíceis para tratamento incluem os diabéticos e os pacientes submetidos a prostatectomia radical (cirurgia para tratar o câncer da próstata). Esses são os que não respondem a terapia oral com mais freqüência. Mas eles também podem ser tratados com outros métodos e voltarem a vida sexual ativa.

Disfunção erétil tem cura?
Hoje existe tratamento para qualquer tipo de disfunção erétil. Procure um urologista e adote hábitos de vida saudáveis. Estabeleça um bom relacionamento com o médico e explique detalhadamente seu problema. Não tenha vergonha e confie na orientação médica.

Quando existe empenho do paciente e ele consegue controlar os fatores de risco identificados, como no caso de um homem tabagista, obeso e sedentário que resolve depois do diagnóstico de impotência sexual se exercitar regularmente (tendo visitado antes seu cardiologista que o liberou para prática de exercícios físicos), emagrece e para de fumar, o quadro de disfunção tende não somente a estabilizar mas pode ser revertido.

Leia também: aumento peniano funciona

Prevenção
Prevenir a disfunção erétil significa preservar a boa circulação do sangue e na verdade as orientações são muito semelhantes àquelas fornecidas nos consultórios dos cardiologistas:

Adote hábitos de vida saudáveis
Controle seu peso
Faça exercícios regularmente.
Visite seu médico regularmente e trate com dedicação os chamados fatores de risco:

Se você fuma, pare imediatamente
Se for hipertenso, siga o tratamento à risca e tome o medicamento sempre
Se for diabético, controle as taxas de glicose, seguindo a dieta e usando os medicamentos adequadamente.

O pênis cresce até que idade? Qual o tamanho médio do pênis?

O pênis cresce até que idade? Qual o tamanho médio do pênis?

Todo homem já teve dúvidas sobre o tamanho de seu pênis. Sério. Todo homem. Não tente negar. Em algum momento da sua vida você se fez aquela pergunta: será que o tamanho do meu pênis é normal?

Bem, o tamanho do pênis é definido especialmente pela genética, então não dá pra fazer muita coisa quanto a isso. Contudo, ainda podemos aprender bastante sobre ele. Confira, abaixo, tudo sobre o tamanho do pênis!

Índice – neste artigo você encontrará as seguintes informações:

Como o pênis funciona?
O pênis cresce até que idade?
Qual o tamanho médio de um pênis?
Sexo e o tamanho do pênis
Fumar diminui o pênis?
Pênis torto: é um problema?
Espera um pouco, o pênis pode quebrar?
Growers e showers
Posso aumentar meu pênis?
Tenho um pênis pequeno, e agora?
Tenho um micropênis, e agora?
Cuidados com a saúde do pênis
Como o pênis funciona?
O pênis é o órgão reprodutor masculino. Ele é composto pela glande, que é a cabeça, cheia de terminações nervosas, um corpo esponjoso que envolve e protege a uretra, e dois corpos cavernosos, que ficam nas laterais. Durante a ereção, esses três corpos ficam cheios de sangue. É isso que permite o crescimento do pênis em momentos de excitação sexual.

O pênis cresce até que idade?
O pênis começa a se desenvolver aos 12 anos de idade e seu comprimento aumenta até perto dos 18. Depois disso, ele engrossa e chega a seu estado adulto aproximadamente aos 21 anos, qiuando a puberdade masculina acaba. A média do pênis brasileiro é de 15,7 cm e a média global fica perto dos 14 cm.

Qual o tamanho médio de um pênis?
Entre 12 e 16 cm, um pênis é considerado dentro da média global, os 14 cm. No Brasil, a média é de 15,7cm mas, a título de curiosidade, saiba que o país com a maior média é a República Democrática do Congo, com 17,93 cm e o com menor média é o Nepal, com 9,3 cm.

Então, se você é adulto e seu pênis tem entre os 12 e 16 cm, seu pênis tem o tamanho normal.

A circunferência – ou grossura, se preferir – média do brasileiro é de 12,99 cm. O país de pênis mais grosso é a França, com 13,63, enquanto o com o mais fino é a Turquia, com 8,89 cm, então estamos bem.

Mas atenção: esses números são com base em adultos completamente desenvolvidos. Portanto, se você está na adolescência, é provável que ainda não tenha alcançado o tamanho máximo.

É importante saber o jeito certo de fazer a medição: ela deve ser feita na parte de cima do pênis, a partir do osso pubiano (o que fica na base do pênis) e indo até o final da glande (a cabeça). Para saber a circunferência do seu pênis, a fita métrica deve ser enrolada logo abaixo da glande, no corpo dele.

Você pode ver, clicando aqui, um mapa interativo super interessante com resultados de uma pesquisa global sobre o tamanho do pênis de vários países. O mapa considera 116 nações e possui dados de comprimento e circunferência e até o volume. Vale uma conferida.

Sexo e o tamanho do pênis

Mesmo sendo relevante, o tamanho não é o fator principal durante o sexo. A preferência de parceiros é variada. Há quem goste dos grandes e há quem goste dos pequenos, e ao contrário do que os filmes pornôs fazem parecer, existe pênis grande demais.

A sensibilidade vaginal existe por toda a extensão da vagina, mas é especialmente maior nos primeiros centímetros dela. O clitóris, o órgão sexual feminino voltado apenas para o prazer, fica em cima da entrada, mas ele se estende por dentro do corpo feminino, contornando as paredes vaginais nos primeiros centímetros, e pode ser estimulado por dentro.

É por isso que, se seu pênis estiver abaixo da média, você não precisa se preocupar tanto com o sexo. Conhecer o que agrada sua parceira ou parceiro é mais importante, e isso varia de pessoa para pessoa. Converse, discuta e descubra as preferências de sua companhia, e sua capacidade de proporcionar prazer vai aumentar muito mais do que se você simplesmente tivesse alguns centímetros a mais.

Fumar diminui o pênis?
De certa forma, sim. Fumar afeta todos os órgãos do corpo de maneira negativa e isso inclui o pênis. Um dos efeitos do cigarro é o bloqueio parcial ou total de vasos sanguíneos, dificultando a circulação de sangue. Esses bloqueios podem fazer com que menos sangue consiga chegar ao pênis durante a ereção, causando impotência.

Mesmo nas vezes em que o fumante com bloqueios nos vasos causados pelo cigarro consegue alcançar a ereção, o pênis não fica completamente ereto. Com o passar dos anos, ele pode perder parte do seu tamanho máximo, podendo diminuir em até 1cm no decorrer da vida da pessoa.

Pênis torto: é um problema?
Não, não é! O pênis torto é algo comum. Desde que não haja dor durante a penetração e ela não seja atrapalhada pela angulação do pênis, não há com o que se preocupar.

Existem várias causas para um pênis torto. Se a uretra não acompanha o crescimento dos corpos cavernosos, por exemplo, ele pode entortar para um lado. Também pode acontecer de um corpo cavernoso crescer mais do que outro, algumas doenças congênitas, além de traumas como fraturas penianas.

Espera um pouco, o pênis pode quebrar?
O pênis não possui osso, mas pode quebrar sim, então é melhor tomar cuidado com ele! A fratura é rara, mas pode acontecer.

Os corpos cavernosos e o esponjoso são protegidos, cada um, por uma camada chamada túnica albugínea. Essa camada é bastante resistente e flexível. Quando o pênis está ereto, ela também se estica, ficando mais fina e mais sensível. Caso alguma força entorte o pênis, a túnica albugínea pode se romper. É o que chamam de fratura peniana.

Com o rompimento da túnica, o sangue presente nos corpos cavernosos ou no esponjoso vaza para os outros tecidos do pênis, podendo ir até o escroto.

Na maior parte dos casos, as fraturas penianas acontecem durante o sexo. Frequentemente, quando a mulher está por cima. Acontece quando o pênis escapa de dentro do canal vaginal e, ao tentar penetrar novamente, vai de encontro com o quadril da parceira, se dobrando.

A fratura só acontece quando o pênis está ereto e é possível ouvir um estalo que pode lembrar um osso se quebrando. O pênis perde a ereção e dói bastante, além de ter hematomas no corpo por conta do sangue que vaza.

É necessário buscar ajuda médica o mais rápido possível, pois o rompimento da túnica albugínea, se não tratada, pode trazer diversas consequências como deformidade permanente do pênis, dor durante o sexo e inclusive impotência.

Growers e showers
Se você é homem, talvez tenha se encontrado em um vestiário masculino onde vários colegas estavam se trocando, e é bem provável que você tenha se comparado com os demais, preocupado com seu tamanho. É bom saber sobre a diferença entre os growers e os showers.

A palavra grower vem de grow, do inglês, “crescer”. A maioria dos homens se encaixa nessa categoria. O pênis, quando flácido, varia de 3 a 6 cm, e ao ficar ereto pode dobrar e até triplicar de tamanho.

Já shower vem de show, do inglês, mostrar. O shower é aquele que se mostra. O pênis dos showers, quando flácidos, possuem de 9 a 11 cm, mas ao contrário dos growers, não crescem muito quando eretos.

Agora que você sabe disso, caso seja um grower e veja um colega no vestiário que parece enorme, mesmo flácido, não precisa ficar com vergonha ou achar que seu pênis é pequeno. O dos growers cresce bastante, o dos showers não muito e, no fim, quando eretos, a média é a mesma.

Posso aumentar meu pênis?
É possível, mas fortemente contraindicado. Entenda:

Fórmulas mágicas de aumento peniano
Primeiro, vamos falar da internet. Você já deve ter recebido um e-mail ou visto alguma publicidade na internet que prometia o aumento de seu pênis. Bombas penianas, remédios milagrosos, dezenas de técnicas que “deixam os médicos impressionados” ou qualquer variação disso.

Nenhuma dessas técnicas é cientificamente comprovada. Boa parte delas é cientificamente refutada, sendo classificadas como ineficazes. Além disso, com certeza muitas delas já deixaram médicos impressionados de verdade, afinal, existem “técnicas” extremamente perigosas pela internet. É melhor ficar longe disso.

Ninguém quer ficar impotente porque comprou algo para injetar no pênis, ou pior, ter uma necrose e precisar amputá-lo.

Aumento cirúrgico
Não existe procedimento médico ou técnica cirúrgica aprovada que aumente o pênis. No Brasil, existem cirurgias experimentais que, por lei, só podem ser realizadas em ambiente acadêmico. Além disso, os riscos são enormes.

Existem muitos vasos sanguíneos no órgão e eles são essenciais para o funcionamento do pênis. Qualquer coisa que dê errado na cirurgia pode comprometer a capacidade de ereção. Existem alguns casos em que um médico pode indicar uma cirurgia, mas daqui a pouco falamos deles.

Tenho um pênis pequeno, e agora?
Algumas situações podem fazer um pênis parecer menor do que é. Obesidade, por exemplo, causa acúmulo de gordura na região pélvica e a base do pênis pode ficar para dentro da gordura, fazendo-o parecer menor.

Pelos pubianos também causam esse mesmo efeito. A depilação pode dar a impressão de que o pênis é maior.

Caso seu pênis tenha um tamanho abaixo da média, não se preocupe. Sua capacidade sexual não é diminuída por isso e é possível dar e receber prazer. O tamanho não é tudo.

Fique longe dos métodos milagrosos da internet para aumentar seu pênis. Já foi dito antes, mas não custa lembrar: não há comprovação científica de que elas funcionem, além de muitas serem perigosas.

Tenho um micropênis, e agora?
Estima-se que aproximadamente 0,6% dos homens possuam a condição chamada de micropênis.

Um micropênis é definido por estar muito abaixo da média da população. Comparado com o resto da população, em um adulto, o micropênis é menor do que 4 cm quando flácido e 7,5 cm quando ereto.

Algumas das causas identificadas incluem a falta de hormônio do crescimento, falta de testosterona durante a gestação e diversas síndromes genéticas. Alguns casos de micropênis podem ser tratados com injeções de testosterona no início da infância e existe, para certos casos, a cirurgia de faloplastia.

Cirurgia de faloplastia
Essa cirurgia é uma reconstrução peniana. Tecidos de outras partes do corpo, frequentemente do braço, são retirados e colocados no pênis para recuperar sua função em casos em que o órgão é danificado. Também pode ser usada para casos de micropênis.

O procedimento é muito complicado e arriscado. O tecido pode não sobreviver ao transplante, o que pode causar necrose, infecções, fístula uretral e trombose. É comum haver perda da sensibilidade e aproximadamente 30% das faloplastias apresentam complicações e tem de ser retiradas. Tudo isso pode causar sequelas em pessoas com pênis saudáveis.

Cirurgia do ligamento suspensor
A cirurgia do ligamento superior é outro tipo de procedimento que pode aumentar o pênis. Ela consiste no corte dos ligamentos que ficam acima do pênis, conectando o órgão ao osso pélvico. Esse ligamento serve para manter o pênis, quando ereto, estabilizado, facilitando a penetração.

Tal intervenção permite que o pênis se afaste mais do osso pélvico, fazendo-o parecer maior, ao custo de estabilidade. No entanto, a cirurgia também tem riscos. O pênis pode perder a sensibilidade, além de capacidade de ereção.

Os procedimentos de aumento peniano não são recomendados por médicos e a maioria das cirurgias são feitas em homens com tamanho peniano normal.

Cuidados com a saúde do pênis

Leia também: Como aumentar o pênis naturalmente

A saúde do pênis é outra coisa muito importante. Você não deve se descuidar:

Higiene
Mantenha-se limpinho, certo? A limpeza é essencial para evitar maus cheiros, além de manter seu amiguinho saudável.

É importante lavar o prepúcio (a pele que cobre a glande) com água e sabão todos os dias para evitar infecções e doenças que possam atacar o pênis.

O uso da camisinha é imprescindível nas relações sexuais com pessoas cuja saúde genital não se conhece, para evitar DSTs.

E estou dizendo isso de novo, porque é importante. Fique longe dos anúncios que prometem aumentar o pênis. Você não precisa deles e eles podem ser muito perigosos.

Agora você sabe um pouco mais sobre o seu pênis. Lembre-se da higiene, não se preocupe tanto com o tamanho, e não esqueça de compartilhar esse texto com seus amigos!

5 Remédios Caseiros para Impotência Sexual

5 Remédios Caseiros para Impotência Sexual

O chá de alecrim, com chapéu de couro e catuaba ou o xarope natural preparado com mel, guaraná e ginseng são alguns exemplos de excelentes remédios caseiros e naturais que podem ser usados para tratar a impotência sexual masculina.

Este problema surge geralmente em homens entre os 50 e os 80 anos de idade e a ansiedade, depressão ou a perda de libido e de desejo sexual são algumas das causas que levam ao surgimento da impotência. Na maioria dos casos, o que geralmente acontece é que a ereção não acontece ou se acontece ela não é suficientemente rígida para permitir a penetração e uma relação sexual satisfatória. Conheça outras causas da Impotência Sexual.

1. Chá de alecrim, com Chapéu de couro e Catuaba

Este chá é composto por plantas medicinais com propriedades afrodisíacas, que estimulam e a aumentam a líbido, e pode ser preparado do seguinte modo:

Ingredientes:

100 gramas de Alecrim;
100 gramas de Chapéu-de-couro;
100 gramas de Catuaba.
Modo de Preparo:

Fazer uma mistura com as ervas secas e preparar o chá usando 20 g da mistura. Para preparar o chá, em uma panela colocar 20 gramas da mistura e adicionar 1 litro de água fervente. Tampar e deixar repousar durante 15 minutos antes de servir.

Este chá deve ser bebido 4 vezes por dia durante 7 dias, respeitando sempre todas as quantidades referidas pois embora esta seja uma opção natural, estas plantas acabam sempre estimulam o organismo.

2. Chá com cascas de Marapuama

O chá com Marapuama melhora a circulação sanguínea e aumenta o desejo sexual, sendo por isso uma ótima opção para ajudar no tratamento da impotência sexual. Para preparar esse chá é necessário:

Ingredientes:

2 colheres de sopa de cascas de Marapuama;
1 litro de água.
Modo de Preparo:

Colocar as cascas de Marapuama em uma panela com 1 litro de água e deixar ferver durante 20 minutos. Passado esse tempo, desligar o fogo, tampar e deixe repousar durante aproximadamente 30 minutos ate amornar e coar antes de servir.

Este chá deve ser bebido 3 a 4 vezes por dia, todos os dias até que sejam verificadas melhoras.

Leia também: Viagra Natural Funciona

3. Chá de Tribulus terrestris

Este chá possuí propriedades que aumentam a produção de testosterona, sendo por isso muito utilizado no tratamento de impotência e além disso aumenta e apetite sexual. Para preparar este chá é necessário:

Ingredientes:

2 colheres de chá de folhas secas de Tribulus terrestris;
500 ml de água fervente.
Modo de Preparo:

Em uma xícara, colocar as folhas secas e adicionar 500 ml de água fervente, deixando repousar durante 10 minutos. Coar sempre antes de beber.

Este chá deve ser bebido 2 vezes por dia, todos os dias até que sejam verificadas melhoras.

4. Chá de raízes de Catuaba

Esta planta medicinal é ótima para aumentar a líbido, melhorando o desempenho sexual masculino. Para preparar esse chá:

Ingredientes:

40 gramas de raízes de Catuaba;
750 ml de água.
Modo de Preparo:

Em uma panela colocar a água e quando estiver fervendo, adicionar as raízes da planta e deixar ferver durante 10 minutos. Retirar do fogo, tampar e deixar repousar durante 15 minutos, coando sempre antes de beber.

Este chá deve ser tomado 3 vezes por dia, todos os dias até que haja melhoras.

5. Xarope caseiro com Mel, Guaraná e Ginseng

Este xarope caseiro possuí propriedades energéticas, estimulantes e fortificantes que ajudam a ter mais disposição durante a relação sexual, além de melhorar a circulação sanguínea, o que potencia a ereção do pênis. Para preparar este xarope é necessário:

Ingredientes:

1 xícara e meia de mel de abelhas;
1 colher de guaraná em pó;
1 colher de folhas de hortelã;
1 colher de ginseng em pó.
Modo de Preparo:

Em um recipiente de vidro escurecido com tampa, adicionar todos os ingredientes e misturar bem com uma colher até se obter uma mistura homogênea.

Deve-se tomar 1 colher de sopa desse xarope todas as manhãs, sempre que se sentir necessidade. Este xarope é, no entanto, contraindicado para hipertensos, gestantes, diabéticos e durante o período de amamentação.

Além das opções naturais referidas, existem sucos com propriedades afrodisíacas e outras plantas medicinais como a Yohimbe, que podem ser usadas no tratamento deste problema. Conheça outras opções de chás e plantas medicinais.

Veja ainda como adequar a alimentação com alimentos afrodisíacos no vídeo a seguir.

A impotência sexual pode ser tratada com remédios prescritos pelo médico, como Viagra ou Cialis, terapia de reposição com hormônios ou com uso de aparelhos de vácuo, podendo em casos mais graves ser recomendada a implantação de próteses no pênis. Veja que remédios podem ser receitados pelo médico.

Além disso, em alguns casos, o aconselhamento com um psicologo ou psiquiatra e a realização de terapia de casal e psicoterapia são também muito importantes, pois ajudam tratar outros problemas, medos e inseguranças que possam existir.

Disfunção Sexual

Disfunção Sexual

Tanto homens como mulheres podem apresentar problemas sexuais decorrentes do tratamento do câncer.

Alguns tipos de quimioterapia podem causar alterações sexuais, que são diferentes na mulher e no homem. Na mulher pode provocar alterações nos ovários, mudanças nos níveis hormonais e menopausa precoce.

Enquanto que para o homem pode provocar mudanças hormonais, diminuição do fluxo de sangue ao pênis e dano aos nervos que controlam o pênis. Estas alterações podem produzir impotência ou disfunção erétil, que é quando o homem não consegue manter a ereção do pênis.

Os efeitos colaterais diferem entre ambos os sexos, no entanto, é importante discutir todos os sintomas com o médico, pois existem várias opções disponíveis para ajudar a gerenciar os problemas sexuais que possam ocorrer. A disfunção sexual pode ser causada por:

Mudanças no corpo, decorrentes da cirurgia, quimioterapia ou radioterapia.
Alterações hormonais.
Fadiga.
Dor.
Náuseas e vômitos.
Medicamentos que podem reduzir a libido.
Medo da recidiva.
Estresse.
Depressão.
Ansiedade.
Os problemas sexuais vivenciados por pessoas com câncer são agrupados em:

Transtornos do desejo, que é a diminuição ou perda do desejo e das fantasias sexuais.
Distúrbios que incluem a incapacidade de obter ou manter a excitação sexual, como a lubrificação nas mulheres e a ereção em homens.
Distúrbios do orgasmo, atraso ou ausência do orgasmo após a excitação normal, como a ejaculação precoce em homens.
Distúrbios da dor, como a dor genital durante o ato sexual.
Diagnóstico

É importante ter uma discussão honesta com o médico sobre possíveis problemas sexuais, pois, muitas vezes, existem soluções. O médico poderá fazer algumas perguntas do tipo:

Como era sua vida sexual antes do câncer?
Como o câncer alterou suas atividades sexuais?
Existem problemas ou potenciais problemas em seu relacionamento?
O médico deve orientá-lo sobre as reações de um determinado tratamento de câncer e, em alguns casos, encaminhá-lo para um profissional de saúde especializado no tratamento da disfunção sexual.

Alterações nas Mulheres
Sintomas de menopausa em mulheres não menopausadas.
Ondas de calor.
Secura vaginal.
Irritabilidade.
Períodos menstruais irregulares ou ausentes.
Aumento da secreção vaginal.
Prurido (coceira) vaginal.
Falta de interesse sexual.
Preocupação, tensão ou depressão por não ter relações sexuais.
Cansaço para ter relações sexuais.

Alterações nos homens
Não conseguir ter orgasmos.
Impotência.
Preocupação, tensão ou depressão por não ter relações sexuais.
Cansaço para ter relações sexuais.
Orientações

Para Mulheres

Converse com seu médico sobre se existe algum problema em ter relações sexuais durante o tratamento quimioterápico, a maioria das mulheres podem tê-las, no entanto sempre é melhor receber uma orientação de um profissional de saúde.

É muito importante não engravidar durante o tratamento quimioterápico já que os medicamentos utilizados podem afetar o normal desenvolvimento do feto, sobretudo nos 3 primeiros meses da gravidez.

Se você não estiver na menopausa comunique ao médico para que ele possa orientar sobre o melhor método anticoncepcional a ser utilizado.

Em caso de secura vaginal converse com o médico para a possibilidade de ser prescrito um produto para aliviar a secura.

Use roupas íntimas preferentemente de algodão, não use calças ou shorts apertados.

Em caso de sentir ondas de calor evite usar muita roupa, no entanto sempre tenha uma peça leve com a qual possa se agasalhar em caso do tempo esfriar.

Mantenha-se ativa, realize caminhadas ou outro tipo de exercícios físicos leves.

Reduza o estresse, pratique ioga, meditação ou outras formas de relaxamento.

Para Homens

Converse com seu médico sobre se existe algum problema em ter relações sexuais durante o tratamento quimioterápico, a maioria, em tratamento, pode tê-las, no entanto sempre é melhor receber uma orientação de um profissional de saúde.

Use camisinha se tiver relações sexuais até 48 horas após receber quimioterapia, o uso de camisinha é recomendado por que podem existir alguns restos de medicamentos quimioterápicos no sêmen.

Leia também: Big Size comprar

É muito importante que sua parceira não engravide enquanto você recebe tratamento quimioterápico, a quimioterapia pode danificar seu esperma e provocar efeitos colaterais sérios ao feto.

Para Homens e Mulheres

Conversem de forma aberta e honesta com seus parceiros, fale sobre seus sentimentos e preocupações. Procurem novas formas de compartilhar seus sentimentos e sua intimidade.

Converse com o médico ou com alguém da equipe multidisciplinar que possa lhe orientar sobre suas dúvidas. Se necessário seu médico poderá lhe encaminhar para outro profissional como um psiquiatra, psicólogo ou terapeuta sexual.

Busque ajuda, não fique isolado sem saber como enfrentar o problema.